História de São Sebastião da Amoreira


O povoamento de São Sebastião da Amoreira teve início com a criação do DistritoAdministrativo de Assaí, no Município de São Jerônimo. À medida que Assaí crescia, um novo e importante núcleo populacional, denominado Fazenda Três Barras, ia se formando dentro de sua área administrativa, acompanhando, de perto, o progresso e a evolução da sede municipal. Esse novo Patrimônio, graças à tenacidade dos seus primeiros povoadores, não demorou a adquirir a sua autonomia político-administrativa. Localizado na próspera região do norte do Paraná, a Fazenda Três Barras tem sua história diretamente ligada ao ciclo do café. Os seus proprietários, ao procederem à sua divisão deram o nome de Amoreira à secção onde está localizada a atual Cidade.
Ao ser construída a igreja do Povoado, foi a mesma consagrada a São Sebastião, como padroeiro da Cidade em formação. Assim, a Povoação passou a ser conhecida como São Sebastião da Amoreira.
Em 11 de outubro de 1947, a localidade foi elevada à categoria de Distrito Administrativo, pertencente ao Município de Assaí e com a denominação de São Sebastião da Amoreira. Em 14 de novembro de 1951, foi elevado à categoria de Município, com território desmembrado do de Assaí e com a denominação de "Amoreira". Pela Lei Municipal nº 8, de 9 de maio de 1964, voltou a chamar-se São Sebastião da Amoreira.
O nome do Município é homenagem ao padroeiro "São Sebastião" e "Amoreira" proveniente de uma árvore que produz uma fruta silvestre conhecida pelo nome de amora, em abundância na região.

Gentílico: amoreirense

Formação Administrativa


Distrito criado com a denominação de São Sebastião da Amoreira, pela lei estadual n.º 2, de 10-10-1947, subordinado ao município de Assaí.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o distrito figura no município de Assaí.
Elevado à categoria de município com a denominação de Amoreira, pela lei estadual n.º 790, de 14-11-1951, desmembrado de Assaí. Sede no povoado de São Sebastião da Amoreira atual distrito. Constituído de 2 distritos: Amoreira e Nova América da Colina. Instalado em 14-12-1952.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Amoreira e Nova América da Colina.
Pela lei estadual n.º 4245, de 25-07-1960, desmembra do município de Amoreira o distrito de Nova América da Colina.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído do distrito sede.
Pela lei municipal n.º 08, de 09-05-1964, o município voltou a denominar-se São Sebastião da Amoreira.
Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído do distrito sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 14-V-2001.

Alterações Toponímicas Distritais:

São Sebastião da Amoreira para Amoreira alterado, pela lei estadual n.º 790, de 14-11­1951.
Amoreira para São Sebastião da Amoreira alterado, pela lei municipal n.º 08, de 09-05­1964.

 

Através de documentos e relatos do senhor Nelson Soares assim surgiu o município de São Sebastião da Amoreira.

Zé Bastião, assim era chamado carinhosamente José Sebastião Lopes o fundador da cidade.

Nascido no dia 15 de setembro de 1891, em Siqueira Campos, antiga Colônia Mineira, Paraná.

Filho de Sebastião Gonçalves Lopes e Srª. Maria Cândida, casado com Francisca Maria de Jesus, também nascida na mesma localidade em 22 de maio de 1892, filha de Joaquim Lourenço de Gouveia e Srª. Rita Maria do Espírito Santo. Ambos lavradores, ainda jovens foram residir em Congonhinhas por volta de 1930, na mesma década exatamente na data de 17 de novembro de 1938, contando com a ajuda do carroceiro senhor Alfredo Luiz Batista para transportar em sua carroça a mudança, transferindo sua residência para Secção Amoreira, acompanhados de seus nove filhos, pela ordem de nascimento Luzia, Sebastião, Maria, Nicolau, Jorgina, Benedito, Conceição, Pedro e Adelaide Lopes, onde adquiriram da Sociedade Colonizadora do Brasil Ltda. (Gleba Fazenda Três Barras) um lote de 10 alqueires de terra onde construíram e fixaram sua residência nas margens do rio Pavão a um quilômetro de distância do centro da então cidade de São Sebastião da Amoreira.

Fim de 1943 a início de 1944, José Sebastião Lopes homem inteligente de grande visão para o futuro, observando que a localidade começava a se expandir com funcionamento de um grupo escolar e construção de uma casa de residência para professor na referida secção Amoreira, surgindo os primeiros moradores e comerciantes na localidade, Zé Bastião achou por bem fundar ali uma cidade convidando os proprietários de terras, senhores: João Lemes Gonçalves, João Calixto dos Santos, Jordão Rodrigues, Alfredo Luiz Batista, João Domingues Lopes, João Inácio Filho, Francisco de Oliveira Macedo, Flávio Lemes Gonçalves, para que entrassem em acordo e segundo sua proposta aos proprietários de terras em lotear partes de suas propriedades para que fosse feita a planta cadastral da futura cidade, assim sendo dirigiu-se acompanhado dos colaboradores ao senhor Coronel José Scheleder prefeito do município de Assaí também proprietário de terras na mesma localidade, em reunião todos concordaram com a proposta exposta pelo senhor Zé Bastião. Logo em seguida sendo determinado pelo prefeito Municipal de Assaí, o engenheiro Shiro Suzuki para lotear e projetar a primeira planta cadastral da cidade.

A companhia colonizadora dividiu-se a Gleba Fazenda Três Barras em secções dando-se a cada uma delas nome de madeira. Exemplo: Secção Bálsamo, Cabiúna, Paineira, Pau D’Alho e ao nosso município acharam-se por bem o nome de Amoreira. Onde senhor Coronel José Scheleder no mesmo ano de 1943 elevou a secção a categoria de patrimônio Amoreira.
Nas próximas edições, citaremos os nomes dos pioneiros rurais e urbanos e os principais acontecimentos na longa trajetória na vida do município de São Sebastião da Amoreira.